O futuro dos direitos fundamentais: viagem aventurosa no desconhecido ou retorno ao passado?